Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

quinta-feira, 16 de maio de 2013

A inconstância do eu, "se não consegue fugir, é muito corajoso"


Desencontros que narram os medos
escondem-se da realidade
abrigando a coragem de não conseguir fugir.
[Inquietação da alma]

A poesia não mais descreve o silêncio
[Penumbra]
que se cala perante o arrebatamento de emoções,
Colide com o grito interior do vazio,
que chora,
que agride,
que corrompe,
que se encontra ao medo,
e desesperadamente foge.
[Ciclo vicioso do desespero e do caos,
das lamúrias de espírito,
que é marcado por desencontros,
escondendo-se da realidade
abrigando a coragem de não conseguir fugir]

À inconstância: - paradoxal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário