Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Sorte

Resolvi passar por cima de tudo o que me faz estagnar. Sou um corpo que anda sem rumo, vejo os transeuntes e admiro-os de longe. Até quando olhar as almas alheias e encher-me de nostalgia me faria bem? Chutei-os de meus horizontes e fico cá, comigo, sozinha, com minhas percepções sem dar espaços para simpatia e para a opinião que me aflige. Trago meu recado: Suportem-me, pois não terei mais que fugir.

Dando brilho as minhas artimanhas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário