Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

domingo, 18 de setembro de 2011

Cambaleando emoções

Enchi-me de esperança em um dia desses, acordei quase cantando com os pássaros. Fui acertada em cheio, deve ser anestesia de algum cupido desajeitado, ou pressentimento que algo bom está por vir. Acordei atordoada por coisas boas. Tanto senti que não mantive-me em pé, mal pude me aguentar. As pernas tremem e a razão é chutada para o outro lado. Longe, onde é preciso atravessar um oceano para pegá-lo de volta. E quem se atreverá a pegar a razão de volta? Nascemos emocionados, rolando as lágrimas, vendo tudo como um rio.
É estranho. É confuso. É imortal.
Sentimental; é sentir, cambalear e cair na poesia. Cambalear emoções e apurar os sentidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário