Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

domingo, 7 de agosto de 2011

Póstumo.

Pequenos pedaços de papel que dançam com os ares, mostram o sereno que chega de mansinho, invisível, quase nem se sente. Figura póstuma da dor, uma noite pacata. Depois do choro sempre há o silêncio, do riso, fica o eco e as lembranças, que são jogadas fora depois, ao relento, e transbordam entre as cores do vento, pedacinho por pedacinho. Sempre há um final, no final não há mais nada. As lágrimas fazem um nó, rasgando todo o resto até parar na garganta. É possível desatar um nó, mas tão estreita, torna-se impossível chegar lá. Onde é o ponto de partida? Das cores, do vento, das lágrimas, das lembranças, do eco e do nó. Abram-me o corpo e desatem esse nó. Dó. Não há escolhas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário