Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

terça-feira, 19 de julho de 2011

Por que as pessoas morrem?

... Se podemos ver o mundo de cabeça para baixo e deixarmos de morrer. Podemos acender as luzes apagadas e correr para o fundo do túnel; parar de procurar o medo e virar os sonhos já postos para debaixo da cama. Acender a liberdade, sem que se prenda as loucuras e tristezas pagãs, a cores mais escuras, descobrir... Não existe só o preto e o branco, o cinza também é uma cor. Por que as pessoas morrem? Se podemos andar contra o caminho. Pausadamente, tranquilamente... Pé ante pé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário