Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

domingo, 19 de junho de 2011

(...) Mergulharei eu, um dia, no infinito de seus pensamentos, desvendar mistérios e segredos jamais revelados, segredos estes trancados no fundo do seu baú, com medo que eu os ache. Vire-se homem de dia e de noite. Ah, quando eu os achar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário