Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Deusa da Sorte

A deusa da Sorte era aquela que sambava nos problemas e repetia soluções de sugestões diferentes. Ela, que sempre vira o caminho virado de trevas e o negro dos olhos de estranhos que a questionavam. Questionavam seu poder, sua inocência, achavam então que a Deusa era até farsa. Deusa da Sorte era aquela que tirava as pedras, mesmo que pequeninas, do caminho. As pequenininhas são as que doem mais, porque ninguém as vê e de dor imensa. Ela curava, dava beijos curativos e regenerava corações. Deusa da Sorte já salvou muitas vidas. E qual é a sorte? A Sorte é que todos ainda acreditavam nela, e enquanto acreditavam, ela existia.

Bobinho, bobinho e sem revisão. Só rascunho.

2 comentários:

  1. Ninguém tropeça em uma pedra grande...
    Abraço

    ResponderExcluir
  2. Grandes sonhadores tropeçam nas maiores pedras.

    ResponderExcluir