Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

terça-feira, 12 de abril de 2011

A.C - com muito amor.

Faço de ti linhas tortas com palavras bonitas, para que eu possa encontrar-te no caminho. Na peleja e no dia nublado, quero encontrar o limpo dos teus olhos, brilhando sempre ao olhar pra mim, para que ilumine toda a escuridão de minha estrada, mesmo que seje a tal "luz no fim do túnel". Quero ouvir sua música enquanto ouço o som da chuva, quero escrever pra você, sobre você. Quero escrever você.
Quero desenhar notas de música com o teu nome e ouvir os trovões gritarem pra mim, reprovando minha melancolia, "É amor, é amor"...

Nenhum comentário:

Postar um comentário