Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

O Menino

Era uma noite quente de natal, quando um menino ganha seu primeiro CD de rap de presente. Alegrou-se por ser a moda entre os jovens daquela faixa etária. Seus amigos, todos conheciam a tal banda, e empolgado, passou o resto dos dias ouvindo uma música em especial. O presente foi dado por um de seus primos, que sabia da vontade do garoto pelo tal CD. Era uma música que ele não parava de ouvir, nenhuma a mais, o satisfazia tanto. Seus pais temiam o rap, achavam coisas de delinquente tal gosto, por falarem da realidade do mundo, das drogas, enfatizam a violência e tinham medo que seu filho pudesse se corromper apenas por um estilo musical. Mas o garoto continuou com aquela música gravada no seu mp3.

Voltava um certo dia do colégio, presenciou a um assalto, e acidentalmente, foi baleado por um dos bandidos que esbarrou nele enquanto corria. Viu, enquanto fechava os olhos, a vontade do assaltante de voltar e acudi-lo, mas não queria ser pego pelos policiais. O bandido chorava a alma, seus olhos transmitiam um certo perdão. Quem sabe ele já não via expectativas na vida e preferiu fazer do seu jeito para sobreviver? Quem sabe largou tudo e - aparentemente - não se importa com mais nada?

O garoto não resistiu.

...

A mãe, um dia, ao arrumar o quarto de seu filho, percebe a presença do mp3. Entristeceu-se ainda mais, fechou o coração, seus olhos já inchados não se permitiam cair lágrima alguma. Pôs o fone de ouvido devagar e ouviu a tal música preciosa do menino.

"Você vai conseguir
Sim, você vai conseguir
Não se preocupe com uma coisa que aconteceu na sua vida
Não preocupe com nenhuma coisa, vai ficar tudo bem"

Toda a reserva de água do seu coração recebeu uma martelada, permitiu-se chorar ainda mais, da alma foi retirado um peso. Seus olhos, molhados e entristecidos, brilharam, de orgulho e amor, de seu precioso filho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário