Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

O choro é a identidade do coração. É preciso entender o que se passa dentro de si para que possa expôr aos outros.
Tenho lá minhas manias, desejos... Quando sorrio, não entendo porquê. Minhas lágrimas saem involuntariamente, não me entendo. Se não me entendo, como vou querer que os outros me entendam?

Nenhum comentário:

Postar um comentário