Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Mudança.

Ontem o sol brilhou mais forte pedindo para que eu criasse uma canção.
Saiu fajuta, meio besta, sem nenhuma emoção.
O céu, então, fechou esperando minha feição.
Fiz então uma oração.

A chuva caiu sem dó.
E das impurezas, foi feito um nó.
Sem piedade ou extremismo,
Logo me vi em um abismo.

Então Deus me deu uma segunda chance
Trocando uma canção para um romance
E logo descobri meu lance.

De canções, virei poeta.
Quem mente e quem sente; e logo pedi
Para que o céu se abrisse novamente

2 comentários: