Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Chove constantemente, Deus mostra sua frustração com lágrimas pesadas que logo se transformam em chuva. Sua ira são os raios, triste pelas pessoas sem alma e sem coração. Debaixo dessas nuvens negras andam pessoas despreocupadas com a chuva, elas caminham normalmente, pensando devagar sobre a situação de suas vidas, de todas as verdades acreditadas que lhe decepcionam por não ser aquilo que acreditaram. Verdades não passam de mentiras ou contos mal contados.
As pessoas tendem a pensar em conjunto, em um todo, generalizando mesmo que sem querer, mas a mente humana não pode ser explicada individualmente, cada um tem o direito de pensar por si. Reclamar da vida é acomodar-se demais com os outros. Viver em um conjunto de cores é experimentar do agradável ao desagradável e saber das funções do seu interior, ouvir o coração, e consolar a alma.
O mal é a cabeça, que convence que todo o resto é do contra, mas ainda assim existem pessoas boas. O mundo não é insuportável, insuportável mesmo são as contradições, o precavido e o medo.

2 comentários:

  1. "O mal é a cabeça, que convence que todo o resto é do contra, mas ainda assim existem pessoas boas."
    Boas palavras.

    ResponderExcluir