Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Soneto da - minha - eternidade. Arthur Coimbra ♥

Você é a minha necessidade
a mais bonita realidade.
decifrando meu modo de amar
com mudos versos a recitar.

Sacia meu sedento coração
de pesadas ironias e nos dias de aflição.
Mostra-lhe a direção. E o leva consigo.
Longe do castigo. Fora de perigo.

Você é o mais doce das sinfonias.
E o deslumbrar das melodias
que falam de amor.

Você é o meu carinho, meus beijos, meu caminho.
Meu ímpeto de paixão
Para você, um soneto, e meu coração.

Eu te amo ♥

2 comentários: