Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Silêncio

Ouvia-se apenas um coração que batia desesperadamente. Baixinho, a súplica e o pavor pareciam tomar conta do silêncio

- É, coração, aguente. Embora pequeno, sei que tem capacidade para continuar batendo. Faça um esforço, você pode, eu sei que pode.
Lembra-se de quando começou a bater? Começou bem devagarzinho, mas depois pegou o jeito. Depois você foi crescendo, oportunidades que te destruíram, mas mesmo assim nunca me deixou só. Quantas vezes você já chorou hein? Foram tantas, até parei de contar, teria que passar a vida toda assim. E os curativos, esses são inesquecíveis né? Eles ardiam tanto. E como você gritava... Eu lembro. Depois as machucados foram cicatrizando, mas ficaram as marcas. Então, olhe agora para eles, veja como você está forte, continue batendo, não me abandone.
Claro, tivemos momentos felizes, você lembra? A gente ria tanto que doía né. Doer... Faz lembrar dos nossos momentos de tristeza, você chorava baixinho durante a noite, o corpo todo ficava sensível com sua tristeza, pois tudo dependia de você.
Ah, já te meti em tanta encrenca, tantas vezes decidiu meus caminhos por mim, tantas vezes já quis que você parasse, mas continuou batendo, tantas vezes já menti pra você, e mesmo assim continuou sendo verdadeiro comigo. Eu fui uma má amiga, eu sei, mas não pare de bater por isso. É difícil, mas já enfrentamos tantas coisas juntos, faça um esforço e se lembre. Eu sei que já não tem espaço para mais cicatrizes, mas seja forte e não pare, esse ainda não é o seu limite. Eu te ajudo a não chorar mais. – As últimas frases falharam, as lágrimas rolavam e a impediam de continuar. Houve uma longa pausa - Ou não se force mais. Talvez poderemos nos reencontrar por aí e viver todas essas memórias novamente. Quem sabe...

O som do coração e a respiração foram ficando baixos até sumirem completamente. E o silêncio ficou absoluto, já não se ouvia mais nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário