Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

sexta-feira, 12 de março de 2010

Eu não sou covarde, não, eu não sou

Seria muito covarde se desistisse de viver agora...
Fico pensando se eu morrer, Deus irá mostrar quem eu seria se crescesse, passando por tudo o que passei e passarei. Seria, sem dúvida alguma, uma pessoa de excelente caráter.
Confesso que meu jeito de pensar, não é normal ao das pessoas de meu círculo, para melhor ou para pior... Não cabe a mim, julgar.
Minha humildade não existe. Mas ser humilde não é ser pequeno, é mostrar suas qualidade sem pisar, humilhar os outros. Você é grande, confesse que é grande.
Vou me convencendo, aos poucos, que cada coisa que acontece, cada palavra falada, ouvida, calada, são apenas experiências, para melhorar no futuro. Isso não é óbvio, pois tem pessoas que vêem tudo como uma lição, mas eu acredito, que Deus mostra as pessoas com cada experiência, quem elas serão. Acredito que tudo já estava escrito. E quem eu serei... Também está, é consequência de hoje, de amanhã, de depois, depois, depois e depois...
Sim, eu quero ver quem me tornarei, não importa quantas vezes eu tenha que chorar, quantas vezes tenha que doer, e o quanto doa - porque se não doesse, não valeria a pena -. Sim, eu quero passar por tudo o que eu tenho que passar, eu não quero falar que tal coisa nunca aconteceu comigo. Sim, eu quero colher de cada pessoa, cada experiência, para ser ainda melhor.
E não, eu não vou desistir, eu não vou me cansar, porque eu não sou covarde, não, eu não sou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário