Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

domingo, 31 de janeiro de 2010

Flores. Eu amo flores.

Você quer uma flor, minha dama?
Eu amo flores.
E também amo o outono.
Porque folhas caem no chão, as flores também.
Fica mais fácil de apreciá-las.

De que cor você quer?
Tenho uma coleção.
Íris, margaridas, cravos...
É só escolher.

Qual combina mais com você?
Deixe-me analisá-la.
Oh, sem muito esforço posso ver.
Tome, rosas, vai querer.

São bonitas, porém, há espinhos.
Se não tomar cuidado, irá se ferir.
E machucam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário