Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

sábado, 19 de dezembro de 2009

(...) E traga-me de volta.

Não beba, não fume, não coma, não levante, não leia, não estude. Acompanhe outros 'não's.
Corte-me, ofenda-me, humilhe-me, xingue-me, maltrate-me, isole-me, desgaste-me, atrofie-me, machuque-me, rasgue-me, quebre meus dedos, queime-me, desidrate-me.
Imagine coisas ruins sobre mim, acabe com sua voz gritando comigo, tire sangue de meu corpo, destrua-me, acabe comigo...
E traga-me de volta quando essa hemorragia emocional passar e o mundo acabar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário