Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

domingo, 8 de novembro de 2009

Maycon

- Tentar entendê-lo não parte de meus princípios. Essa é a vã tentativa de saber o que é a verdadeira loucura, porém, essas curiosidades ultrapassam todos os meus limites e conhecimentos.
Era assim que Maycon vivia. Não gosto muito de falar dele, pois tudo o que me parece impossível, me irrita. Sei que posso estar sendo confusa e você pode não estar entendendo bem, no entanto, é assim mesmo que deve ser. Confuso e desorganizado, pois era essa a vida que Maycon levava.

Dica: Não queira vê-lo de manhã, tinha um mau humor insuportável. A idéia de que precisamos acordar para continuarmos vivos era algo que não lhe agradava.

Maycon vivia em uma tênue linha com o ódio. Eita homem de não gostar das pessoas. Rio ao lembrar de quando falava que poderia ser qualquer coisa, menos humano.
Ele era estranho, não acham? Isso fazia de Maycon uma pessoa incrível, seu modo diferente de pensar e agir – eu particularmente adoro pessoas que pensam demais -.

Curiosidade: Ele costumava dizer que todo tipo de amor é clichê, sem exceção. Todos
amam, sofrem e decepcionam-se.


Ele adorava futebol, torcia feito um louco. Xingava, gritava e reforçava o amor por seu time. Para ele, cada fase de nossa vida era como uma bola chutada, cada sorriso um gol e cada sucesso e sonho realizado, um título. Dizia também que os outros só descobrem o quão digno e merecedor foi, pelo número de títulos após sua morte.
Que analogia entre vida e futebol curiosa, não?
Ah Maycon, como me faz falta. Não sabe o quão feliz fiquei ao ver seu número de títulos.
Ah, Maycon, suas piadas sem graça são as mais engraçadas. Seus medos, pavores, paranóias e manias também.

Fato: Maycon tinha medo de barata.

Achava-se o tal, mas no fundo era um anão. Ah, como eu rio de suas afirmações.
Quer saber como ele é?
Terce uma personalidade difícil com um balde de coragem e um copo de covardia. Seja contraditório, seja Maycon. Risos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário