Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Eu ouço vozes!

Eu ouço vozes!
Assustam-me.
Perseguem-me.
Amedrontam-me.

Machucam-me.
Duvidam de mim.
Querem destruir-me.

Vozes que dizem quem sou
e não quem são.
E a verdade me machuca
ainda mais.

Eu ouço vozes.
Tenho medo de vozes.

Um comentário: