Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Lutem até o fim!

A casa que chamamos de "mundo", nunca fora movido pela sensibilidade e fé. Os sentimentos que nos cercam nem sempre são positivos - a maioria negativos -. O que falta? Andarmos de mãos dadas? Verdadeiros sorrisos? Otimismo?
Muitas vezes achamos fútil e banal alguma palavra que transbordam tais emoções, porém, mal sabemos que um dia teremos que nos render a esses sentimentos.
Pensamentos ruins, coisas ruins, fases ruins. O que fazer para melhorar? Primeiro de tudo, pensar em melhorar. Cair, levantar, andar, continuar caminhando, olhando para frente, clareando toda a escuridão, passando por todos os buracos e abolindo todo o desejo de render-se.
Substituir alguns pensamentos de derrota para os de vitória é mais agradável. A chance de você realmente vencer é maior. A probabilidade de tudo dar certo é imensa. A sensação de dizer que venceu é impagável. Lutar com suas próprias forças e ganhar uma luta por si mesmo é deveras.
Há uma tênue linha entre a felicidade e a tristeza. Ambas andam juntas, amigas inseparáveis, fiéis. Quando não se está feliz, a tristeza ocupa todo o espaço que foi lhe deixado pela felicidade, logo, o desânimo grita. Clama, chama por seu nome. Não desanime, ninguém vive uma vida inteira com um só sentimento.
Só os que já venceram e querem vencer poderão entender o quão cada palavra de otimismo vale a pena. Pode parecer estranho, mas não ligue, hoje em dia, diferente é querer ser normal, e normal é querer ser diferente.
Em suma, mesmo sendo dissonante, vá, busque, corra, soe, lute até o fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário