Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Campo de guerra... Do que chamamos de "vida"

Os holofotes estão apontados para mim e o grito alucinado desse gigantesco público me assusta.
As primeiras fases foram calmas, simples e tranquilas, porém, eram apenas um preparo para essa etapa. Lutaremos uns com os outros e não há vencedor. Pode no campo de batalha da vida existir trapaça? Isso é o que mais me assuta.
Em uma guerra, ninguém luta com a conciência de que vai perder - pelo menos ninguém quer perder -. Todos lutam desesperadamente pensando apenas em sua vida e nada mais. Todos querem sobreviver, lutam para se materem vivos.
Você acredita ter o necessário para sair ganhando? Do que você estaria disposto a desistir para ter o verdadeiro poder?
E se VOCÊ pudesse trapacear? Quando essa oportunidade aparecer, você terá coragem de agarra-la? Suas palavras podem ser ouvidas no clamor do campo de batalha? Com um único andar gracioso, um leve movimento das mãos e o sorriso mais doce que já se viu, ela mudou a sorte da batalha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário