Aqui, lê-se, drama e doçura.

Escrevo meus porquês, sem poréns e sem vírgulas.
Meu mundo é perigoso e opcional.
Sou liberta de correntes.
Vivo.

Deixo ser
Deixo estar
Deixo a vida passar
- Observo enquanto escrevo.
Transformo vivência em palavras
e -
Deixo as palavras invadirem o espaço.

Vendo a vida passar; e escrevendo entre aspas.
(Aqui, lê-se, drama e doçura.)

quarta-feira, 1 de julho de 2009

O que há em mim?

Ninguém liga muito para minhas palavras e nem tenciono elevar o tom de voz para que dêem valor, aprensetar fatos é mais interessante, quer dizer, as conseqüências dos fatos que são interessantes. É assim que eu gosto, mas porquê?
As pessoas falam que eu banalizo o verbo odiar, talvez seja por isso que vivo tão sozinha. Ora, não banalizo o verbo odiar, apenas odeio facilmente, se há alguém contra, eu prefiro que não me ouçam mesmo.
Não sei direito como isso acontece, porque isso acontece, nem mesmo quem sou, apenas me acho normal, como todos os outros, como um ser humano qualquer, a única certeza que tenho é que eu odeio. odeio facilmente

Nenhum comentário:

Postar um comentário